O culto a São Jorge vem do século IV dC. O soldado foi martirizado na Palestina no dia 23 de Abril de 303, vítima da perseguição do imperador Diocleciano. Foi torturado e teve a cabeça cortada, em Nicomédia, devido à sua fé cristã.

Os restos mortais de São Jorge foram transportados para Lídia, onde foi sepultado, e onde o imperador cristão Constantino mandou erguer um sumptuoso oratório aberto aos fiéis. O seu culto espalhou-se imediatamente por todo o Oriente.

No século V, já existiam cinco igrejas em Constantinopla dedicadas a São Jorge. Só no Egipto, nos primeiros séculos após sua morte, foram erguidas quatro igrejas e quarenta conventos dedicados ao mártir. Na Arménia, na Grécia, no Império Bizantino São Jorge era inscrito entre os maiores Santos da Igreja Católica.

No Ocidente, na Idade Média, as Cruzadas colocaram São Jorge à frente das suas milícias, como Patrono da Cavalaria. Em Itália, era padroeiro da cidade de Génova. Na Alemanha, Frederico III dedicou a ele uma Ordem Militar.

Em França, São Gregório de Tours era conhecido pela sua devoção a São Jorge; o rei Clóvis dedicou-lhe um mosteiro, e sua esposa, Santa Clotilde, erigiu várias igrejas e conventos em sua honra. Inglaterra foi o país ocidental onde a devoção ao santo teve papel mais relevante.

O monarca Eduardo III colocou sob a protecção de São Jorge a Ordem da Cavalaria da jarreteira, fundada por ele em 1330. Por considera-lo o protótipo dos cavaleiros medievais, o inglês Ricardo Coração de Leão, comandante de uma das primeiras Cruzadas, constituiu São Jorge padroeiro daquelas expedições que tentavam conquistar a Terra Santa aos muçulmanos.

No século XIII, a Inglaterra celebrava sua festa como dia santo e de guarda e, em 1348, criou a Ordem dos Cavaleiros de São Jorge. Os ingleses acabaram por adoptar São Jorge como padroeiro do país, imitando os gregos que também trazem a cruz de São Jorge na sua bandeira.

Ainda durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) muitas medalhas de São Jorge foram cunhadas e oferecidas aos enfermeiros militares e às irmãs da caridade que se sacrificaram ao tomar conta dos feridos da guerra.

As artes, também, divulgaram amplamente a imagem do santo. Em Paris, no Museu do Louvre, há um quadro famoso de Rafael (1483-1520), intitulado “São Jorge vencedor do Dragão”. Em Itália, existem diversos quadros célebres, como o de autoria de Donatello (1386-1466).

Em 1970, a festa anual do santo nas igrejas católicas foi tornada opcional, com a reforma do Papa Paulo VI. Entretanto, em Inglaterra e noutros lugares onde São Jorge é especialmente venerado, tal festa guarda ainda toda a sua antiga solenidade. Esta realiza-se precisamente no dia 23 do mês de Abril!

São Jorge eo Dragão

Escrito por paroquia Em Dezembro - 17 - 2009 Informação Paroquial

Comments are closed.

...

PROCURAR

VIDEO

MÚSICA

Oiça as músicas